By Associate Editor, Rafael Zenni 

An English version of this post is available here.

Physostegia_virginiana_9495
Physostegia virginiana By R. A. Nonenmacher from Wikimedia Commons

Milhares de espécies de plantas foram movidas para além das suas áreas de ocorrência nativas para fins ornamentais. As escolhas de espécies para jardins, ruas e parques urbanos são baseadas em grande parte em razões estéticas, culturais e utilitárias e não por sua adequação ecológica ou climática para uma região específica. Muitas dessas plantas ornamentais atualmente cultivadas em lugares fora do seu nicho climático ideal podem sobreviver e crescer, mas podem ser incapazes de se reproduzir e formar populações sustentáveis. Sem cuidado humano, muitas plantas ornamentais não-nativas (exóticas) pereceriam. E isso é uma coisa boa. Queremos que essas espécies não-nativas dependam do cultivo humano. Caso contrário, eles podem se espalhar para habitats nativos e invadir, produzindo impactos negativos. No entanto, agora que o nosso clima está mudando rapidamente (p.ex., as temperaturas médias estão subindo e o número de dias com temperaturas abaixo do congelamento está diminuindo), é possível que locais até agora fisiologicamente limitantes para algumas espécies não-nativas se tornem menos severos, permitindo que essas espécies se reproduzam com sucesso (um processo chamado de naturalização).

A fim de avaliar quais espécies atualmente presentes na Europa como plantas ornamentais podem ser capazes de se naturalizar sob climas futuros projetados, um grupo de pesquisadores liderados pela Dra. Emily Haeuser modelou o potencial sucesso futuro de naturalização para 1583 espécies ainda exóticas ornamentais ainda não-naturalizadas da Flora Ornamental Europeia. Eles geraram uma lista das plantas com maior probabilidade de se naturalizar na Europa em um futuro próximo. Eles descobriram que 41 espécies tendem a aumentar sua probabilidade de naturalização em um futuro próximo, enquanto apenas uma espécie teve sua probabilidade de naturalização diminuída sob a mudança climática. Planos de manejo especiais devem ser considerados para evitar a naturalização das espécies que podem se naturalizar no futuro próximo.

Identificar possíveis espécies invasoras no futuro é fundamental para o sucesso dos planos de manejo. Prevenir a propagação e o impacto de espécies invasoras é sempre a melhor e mais barata opção. O artigo The European ornamental garden flora as an invasion debt under climate change liderado por Emily Haeuser e publicado no Journal of Applied Ecology é um passo nessa direção e os métodos e resultados apresentados neste artigo são muito provavelmente relevantes para muitas outras floras não-nativas ao redor do mundo.

Read the full paper, European ornamental garden flora as an invasion debt under climate change in Journal of Applied Ecology.

Advertisements